Plantão
Política

Coronavirus: Pressão dos comércios em Rondônia força o governo em mudar o decreto

Publicado dia 25/03/2020 às 16h55min | Atualizado dia 21/04/2020 às 17h59min
Agora chama atenção o quanto é importante a sociedade civil organizada, principalmente as associações comerciais.

O governo se reuniu com representantes do chamado “setor produtivo de Rondônia” nesta quarta-feira e decidiu publicar decreto nas próximas horas, “flexibilizado o retorno ao trabalho e aos poucos começa a reverter essa sensação de pânico causado pelo confinamento”.

O governo se reuniu com representantes do chamado “setor produtivo de Rondônia” nesta quarta-feira e decidiu publicar decreto nas próximas horas, “flexibilizado o retorno ao trabalho e aos poucos começa a reverter essa sensação de pânico causado pelo confinamento”.
O documento deverá se sobrepor a qualquer decreto municipal, de forma que os prefeitos deverão cumprir a orientação estadual, pois a ideia do Governo do Estado é voltar a rotina normal, mesmo que com algumas limitações pontuais por um período.

Espaços com aglomerações maiores, como shoppings, escolas, deverão ter alguma restrição a voltarem a funcionar neste primeiro momento, mas que será analisado a sequência na semana seguinte.

O que o Diariopopularro Divulgou em suas ultimas notícias: 

Mas as ultimas informações, que pelo com pronunciamento do presidente Bolsonaro, ele desqualifica a medida do governo de Rondônia e de outras cidades entre elas Ariquemes.

Bolsonaro afirmou que as autoridades devem evitar medidas

Como proibição de transportes, o fechamento de comércio e o

Confinamento em massa. “Nossa vida tem que continuar.  

Abrir os nossos comércios e voltar a vida normal é a melhor medida a ser tomada.

Mas aguardamos que o governo do estado de Rondônia ouça as palavras do presidente e venha a revogar o decreto.

Nosso comercios de Cujubim Precisa recomeçar, somos o coração desta cidade, diz presidente da ACIC, A associação comercial e industrial de Cujubim.  

Fica Assim o seguinte: 

A liberação dos serviços atende pedido da classe empresarial e de setores do próprio
Governo. São esses os serviços liberados não sendo permitidas aglomerações:
Funerários;
Comércio de produtos que são ligados a agroindústria;
Obras e serviços de engenharia;
Manutenção e limpeza;
Hotéis e hospedaria. Café da manhã deve ser servido nos apartamentos;
Escritórios de contabilidade;
Materiais de construção;
Restaurantes às margens das rodovias e
Borracharias
“Temos que evitar aglomeração. Você tem que ir, compra, o que tem que comprar, paga e sai”,
disse o governador, armando que seu decreto se sobrepõe aos demais decretos municipais”.

 

Fonte: ASSESSORIA